Mar Morto de Jorge Amado

Olá Pessoal, dia 01 de dezembro de 2017 iniciando uma nova atividade aqui no HdLResenhas.

A partir de agora pretendo, a cada sexta-feira, publicar minhas opiniões sobre os inúmeros livros que já li para lhe incentivar a criar e cultivar o Hábito de Ler, é claro.

Outra novidade é que estou preparando resenhas em vídeo. Em breve o canal do HdL no You Tube estará ativo com os vídeos das resenhas postadas aqui.

Como não poderia ser diferente, escolhi o livro Mar Morto de Jorge Amado, afinal, foi esta obra que me despertou para o hábito de leitura que considero extremamente saudável e instigante.

Jorge Amado nasceu em Itabuna (BA) no ano de 1912 e morreu com os seus 88 anos, em 2001. Deixou um imenso legado de referências culturais em suas obras literárias.

Infelizmente, quando me refiro às suas obras como literárias, encontro muita resistência por parte de alguns  intelectuais e também por uma fatia do público. Porém, entendo essas opiniões apenas como puro preconceito ao chamado escritor best-seller.

Pensem comigo, se Victor Hugo, Charles Dickens, Cervantes, Dostoiévski entre outros grandes mestres da literatura, foram best-seller, porque Jorge Amado não pode ser considerado um escritor literário? Será porque sua linguagem é simples e fácil? Ou será porque Jorge Amado nunca se preocupou em construir personagens complexos de profundidade psicológica?

Na verdade, Jorge Amado escolheu, ao criar seus personagens, retratar o povo brasileiro com autenticidade, não se preocupando com a profundidade psicológica individual de cada um deles, porém, com a vida coletiva de nosso povo.

O autor escreveu Mar Morto quando tinha apenas 24 anos de idade e eu me apaixonei por esta obra porque é um romance que prende a nossa atenção desde a sua primeira linha até a última. Ele provoca nossa curiosidade em saber o como será o final.

É um romance recheado de lirismo com muita poesia e sonoridade, como uma canção. Experimente ler em voz alta, você me dará razão. E, também perceberá que, em tom poético, o autor reproduziu com muita fidelidade a vida à beira do cais, bem como seus amores, miséria, lutas, medos e fé.

Seus personagens são muito bem construídos. Guma e Lívia formam o casal, cujo enredo se desenvolve à sua volta na Bahia. Eles vivem uma fascinante história de amor. Há outros personagens também muito ricos como: Rosa Palmeirão, Esmeralda e Rufino.

Este romance descreve o povo das comunidades de pescadores, sua cultura e religião com suas festas e homenagens para aquela que eles cultuam como rainha do mar – Yemanjá – que também possue mais 4 nomes: Dona Janaína, Ynaê, Dona Maria e Princesa de Aiocá. O mais interessante é que o livro tem um capítulo para explicar a origem de cada nome e, cada grupo, tanto de pescadores ou de mulheres, a chamam de acordo com os seus costumes.

Em Mar Morto tudo é poético, o amor de Guma e Lívia, a vida difícil dos trabalhadores do mar, a aceitação do destino dos pescadores, a incansável espera das mulheres por seus homens no cais, a eterna dúvida se os seus amantes, maridos, irmãos, pais voltarão bem ou se seguirão o seu destino… serão levados por Iemanjá – a mãe que sempre deseja que os seus filhos venham ao seu encontro no infinito mundo das águas.

  É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
É doce morrer no mar
Nas ondas verdes do mar
Nas ondas verdes do mar meu bem
Ele se foi afogar
Fez sua cama de noivo
No colo de Iemanjá
Dorival Caymmi

 

Sabe aquela sensação de quando você está lendo, sentir que está vivendo aquelas histórias dos personagens? Pois é… você não pode deixar de ler este livro. Recomendo muito!

Espero seus comentários sobre este post e sobre o livro.

Vou deixar um link onde você poderá comprar o livro Mar Morto, assim você estará ajudando ao blog e ao canal.

Deixe seu comentário